Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Toque no Acervo > Transmissor Gibson Girl
Início do conteúdo da página

\.o./ Toque no Acervo \.o./ .

Transmissor de Rádio Gibson Girl Src-578 B


[Ampliar + imagem]

Histórico

O Gibson Girl é um rádio de sobrevivência que equipava os botes salva-vidas. Os Rádios de sobrevivência são transportados por navios e aeronaves para facilitar o resgate em caso de emergência. Eles geralmente são projetados para transmitir nas frequências de emergência internacionais. O uso do rádio para ajudar no resgate de sobreviventes de acidentes no mar veio à tona após o naufrágio do RMS Titanic em 1912.

A antena pipa era utilizada para amplificar o sinal do Rádio transmissor de Emergência Gibson Girl SCR-578, no caso de falta de vento o gerador de hidrogênio era usado para inflar um balão que içava o cabo/antena do Rádio transmissor de Emergência Gibson Girl SCR-578.

Os botes salva-vidas estavam equipados com transmissores de ignição, tais como Marconi Tipo 241, c. 1920. [1] [2] Estes eram operados usando o código Morse em 500 kHz, a frequência internacional de socorro no momento. Isso muitas vezes tinha a vantagem de longo alcance, devido à propagação da onda de superfície e foi constantemente monitorada por todos os grandes navios no mar após o naufrágio do Titanic. No entanto, devido ao seu comprimento de onda de 600 metros, uma longa antena era necessária para conseguir uma boa recepção. Cabos longos na ordem do comprimento de onda 1/4 suportados por pipas ou balões foram muitas vezes utilizados. Esse tipo de rádio continuou a ser utilizado em barcos salva-vidas por muito tempo, sendo posteriormente banido da comunicação em geral.

Durante a Segunda Guerra Mundial, a Alemanha desenvolveu um rádio de manivela de resgate de 500 kHz, o "Notsender" (transmissor de emergência) NS2. Eram utilizados dois tubos de vácuo e o aparelho era controlado por cristal. Possuía uma silhueta de raio curvado para dentro no centro, de modo que um usuário sentado em um bote salva-vidas inflável conseguia segurá-lo entre as pernas e acima dos joelhos, enquanto o punho era o gerador. O sinal de socorro em código Morse era produzido automaticamente com o giro da manivela.

Uma unidade NS2 foi capturada pelos britânicos em 1941, eles produziram então uma cópia, o transmissor Assistente T-1333. A Grã-Bretanha capturou uma segunda unidade e deu aos Estados Unidos, que produziu a sua própria cópia, o SCR-578. A Força aérea da Army dos Estados Unidos equipou suas aeronaves com o SCR-578 em operações no mar.

Reconhecida como Gibson Girl por causa de sua forma de "ampulheta", vinha acompanhado de um papagaio em forma de caixa feito com varetas de estrutura metálica dobrável ou um balão com uma cápsula de hidrogênio gerador, de modo que a linha de vôo foi o cabo da antena. A potência foi fornecida por um gerador de manivela. O componente emissor era o AC-778. A frequência foi de 500 kHz a 4,8 watts, dando um alcance de 200 milhas (300 km, 200 milhas náuticas). O aviso de SOS era emitido de forma automática ou manual.

Porque o nome Gibson Girl?

Além da aparência com a ampulheta o nome está diretamente ligado ao primeiro ideal de beleza feminina nos Estados Unidos. Criada pelo artista Charles Dana Gibson (1867–1944), Gibson Girl apareceu em várias revistas e reproduções, tornando-se um dos ícones do século XX. Também foi uma das primeiras pin-ups. Além de alta e magra, mas com formas, ela usava espartilho. Tinha o nariz e a boca pequena que foram bem desenhados, mas seus olhos eram grandes. Elegante e bem vestida, correspondia com a imagem de uma senhora bem-educada. Com base nos ideais tradicionais de beleza feminina, Gibson criou uma imagem muito peculiar da mulher perfeita.

Descrição

Aparelho transmissor internacional de socorro (SOS), apelidado Gibson Girl; em casos de acidentes aéreos, a frequência de 500 kHz era captada pelo rádio compasso de aeronaves que estivessem voando na área de alcance do sinal. Foi substituído por sistemas operados por satélites. Modelo SRC-578 B (E.U.A.) Composto por: transmissor, antena e gerador de hidrogênio para antena balão que formam um kit. Acompanha bolsa com marca BAG-155A.

Antena Pipa em formato de prisma retangular. Confeccionada com uma estrutura de varetas metálicas forradas de tecido amarelo.

Gerador de hidrogênio em forma cilíndrica em metal na cor cinza.

Origem

E.U.A.- INDIANA-KOKOMO

Fabricante

KINGSTONE PRODUCTS CORPORATION

Época

SÉCULO XX

Dimensões

Rádio - 35,5 x 25 x 21 cm

Antena - 93,7 x 44 x 44 cm

Gerador de Hidrogênio - altura 29,5 cm / diâmetro 11,8 cm / peso 1200g

Bibliografia

Site thewalkietalkie, disponível em https://thewalkietalkie.wordpress.com/la-radio-de-supervivencia

 

Escolha o próximo toque !


Fim do conteúdo da página