Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Notícias
Início do conteúdo da página

O Hospital Central da Aeronáutica participou de missão para atendimento médico da população indígena no Amazonas. A missão coordenada pelos Ministérios da Saúde e Defesa, foi realizada na região do Vale do Javari, segunda maior área indígena do Brasil, com uma população de mais de 7 mil indígenas. A operação teve duração de 7 dias   e iniciou no dia 16 de junho. Foram 23 profissionais de saúde dos Hospitais das Forças Armadas, dentre eles 2 profissionais do HCA, o Tenente Coronel Médico Dalton Muniz Santos, cirurgião geral e o Sargento Everson Soares Amaro, técnico em enfermagem.

A primeira parada foi no Primeiro Pelotão Especial de Fronteira (1° PEF), onde foram atendidas cerca de 60 pessoas, todos testados para a COVID-19 sem nenhum resultado positivo depois na aldeia indígena Cruzeirinho. Já na Atalaia do Norte, cerca de 10 minutos de helicóptero de Itabatinga foram atendidas aproximadamente 900 pessoas, com 50 resultados positivos para Coronavírus, em um total de 200 testes realizados.

Cerca de 70 mil itens de proteção individual e insumos médicos foram distribuídos para a assistência à saúde na região, objetivando o enfrentamento à COVID-19 nas aldeias no Vale do Javari.

A equipe reforçou, com várias especialidades médicas, o atendimento dos indígenas da região contribuindo com os profissionais de saúde que já atendem a população local.

“Esta foi, sem sombra de dúvida, uma das maiores experiências que tive em 22 anos de carreira na Força Aérea Brasileira. No último dia da missão foi realizada evacuação aeromédica onde a paciente apresentava gravidez tubária, correndo risco de morte, pela área de difícil acesso. Sem a operação, seria preciso 2 horas de deslocamento de lancha para fazer o procedimento, mas graças a agilidade da operação que utilizou um helicóptero, foi possível chegar ao local apropriado em 10 minutos, e mais uma vida foi salva”, ressaltou o Tenente Coronel Dalton.

Na manhã do dia 19 de maio, em reunião científica semanal, o Capitão Infectologista Luiggi Miguez Dantas, Chefe do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH), do Hospital Central da Aeronáutica, abordou sobre o tema “Experiência do HCA no atendimento dos pacientes com COVID-19”.

A palestra contou com a presença da Diretora do HCA, a Coronel Médica Carla Lyrio Martins, do Tenente Coronel Eduardo Wanderley Estanislau da Costa, chefe da clínica Cabeça e Pescoço e do corpo clínico diretamente envolvidos na coordenação das atividades de enfrentamento ao COVID-19 no HCA. O Diretor de Saúde, Major Brigadeiro Médico José Luiz Ribeiro Miguel e o Subdiretor Técnico e de Perícias Médicas, Brigadeiro Médico Cloer Vescia Alves foram os coordenadores da sessão.

Transmitida por videoconferência, a palestra teve quórum nacional, onde as OSAs do Sistema de Saúde da Aeronáutica trocaram experiências relacionadas ao manejo clínico dos pacientes com COVID-19. No HCA, o efetivo assistiu ao evento no auditório, com presença da Vice-Diretora, Coronel Médica Carmem Heloisa Pereira Lima, dos chefes de Divisão e demais membros do efetivo.

Na ocasião, o Cap Dantas apresentou breve introdução, onde abordou as características clínico-epidemiológicas da doença, e na sequência apresentou as estratégias adotadas pela Direção do HCA para triagem, criação de emergência específica para pacientes com sintomas respiratórios, protocolos clínicos utilizados para pacientes com COVID-19, time de intubação orotraqueal rápida, andar de internação com equipe específica e treinada para tratamento da doença. Foram apresentadas também estatísticas do HCA que corroboram o sucesso das medidas até então adotadas.

“O Hospital se preparou para o enfrentamento do novo coronavírus. Houve adequação da estrutura hospitalar e redimensionamento do efetivo, nosso principal objetivo é oferecer melhor assistência ao usuário do Sistema de Saúde da Aeronáutica durante a pandemia” ressaltou o Cap Dantas.

 

No dia 22 de abril, em cerimônia reservada, ocorreu a passagem de Direção do Hospital Central da Aeronáutica, do Brigadeiro Médico Walter Kischinhevsky para a Coronel Médica Carla Lyrio Martins, a primeira mulher a dirigir uma Organização Militar da Força Aérea Brasileira, a Casa Gerontológica de Aeronáutica Brigadeiro Eduardo Gomes (CGABEG) e, agora, a primeira mulher a assumir a direção do HCA. O Brigadeiro Walter Kischinhevsky assumirá o cargo de Subdiretor de Aplicação dos Recursos para Assistência Médico-Hospitalar (SARAM).

A cerimônia de transmissão de Direção, contou com a presença do ex-vice-diretor do HCA, Coronel Médico Cláudio Colares Lessa, da nova Vice-Diretora do HCA, Coronel Médica Carmem Heloisa Pereira Lima, do Coronel Capelão Milton Campos, da Chefe da Divisão de Ensino e Pesquisa,  Tenente Coronel Médica Sonia Teixeira da Costa Bolzan, da Chefe da Divisão de Atividades Complementares, Tenente Coronel Médica Sandra Regina Alves dos Santos, do Chefe da Divisão Médica,  Tenente Coronel Médico Eduardo Wanderley Estanislau da Costa, da Chefe do Fundo de Saúde da Aeronáutica, Tenente Coronel Médica Nice Testa Rezende, Tenente Coronel Luciano de Almeida Botelho, da Chefe da Divisão Odontológica, Tenente Coronel Dentista Maria Cláudia Brandão de Souza, do Chefe da Secretaria da Direção, Tenente Coronel Médico Carlos Maurício Rezende Nóvoa, do Chefe da Divisão Administrativa, Tenente Coronel Intendente Luis Felipe Camara Ferro e do Chefe da Clínica de Cardiologia, Coronel Médico Marcelo Tavares Mendonça.

Após a passagem e recebimento do cargo de Direção, o Brigadeiro acompanhou a nova Diretora em uma visita as novas instalações da emergência.

Ao se despedir o Ex-Diretor dirigiu palavras de incentivo e desejou êxito a nova Diretora enfatizando o grande desafio que assumirá a partir desta data. A nova diretora salientou que esta é sua missão de maior relevância na FAB. “Assumir a direção do HCA significa o coroamento de minha trajetória de dedicação à Força Aérea, Instituição à qual pertenço há exatos 30 anos. Estamos todos em missão única com objetivos comuns, desenvolvendo capacidades, descobrindo talentos, inovando, crescendo e servindo ao próximo com empenho. Participar desta realidade e ter o privilégio de liderar homens e mulheres por trajetória tão nobre e legítima, tão real, é uma grande honra”, disse.

 

O Hospital Central da Aeronáutica estabeleceu, a partir de 17 de março, um posto de triagem localizado na entrada da Unidade de Pacientes Externos (UPE). A medida tem como objetivo avaliar o estado de saúde de todos as pessoas que entram no hospital, detectar os casos suspeitos da COVID -19, facilitando o monitoramento e evitando o contágio dos demais usuários e efetivo.

A equipe da área de saúde faz algumas perguntas quanto aos sintomas provenientes da infecção provocada pelo Coronavírus. Todas as pessoas que ingressarem no hospital precisam passar pela equipe de triagem e recebem uma etiqueta de identificação sinalizando que este passou pela triagem. Os pacientes que apresentarem suspeita ou manifestação dos sintomas serão encaminhados, imediatamente, para a emergência.

Além disso as consultas, exames e cirurgias eletivas foram canceladas, a partir do dia 17/03/20, liberando os recursos para o atendimento emergencial. Os pacientes graves e críticos além da clínica de obstetrícia e de psiquiatria terão a continuidade dos seus atendimentos.

Estão sendo realizadas reuniões para discutir ações de prevenção, treinamento, atuação das equipes quanto aos experimentos e possíveis alternativas de tratamento ao combate do Coronavírus. Os sintomas mais comuns são: Febre, Tosse e Dificuldade para respirar.

Afastamento imediato do militar do efetivo sintomático e confirmação de diagnóstico o mais breve possível a fim de identificar os possíveis contaminados no efetivo ou seu retorno às atividades o mais breve possível.

Preparo logístico das áreas a serem utilizadas para as crianças e grávidas que contraírem o vírus e necessitarem de internação, visto que o HCA é referência para essas 2 (duas) categorias de infectados.

Obtenção de todos os recursos necessários para o atendimento adequado aos usuários do Sistema de Saúde da Aeronáutica (SISAU), dentro do preconizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA).

Por fim, iniciamos a Campanha Nacional de Vacinação contra a gripe no dia 24 de março, conforme cronograma e antecipação solicitado pelo Ministério da Saúde, a primeira fase contemplará os Idosos (Acima de 60 anos) e os trabalhadores da saúde, irá auxiliar os profissionais de saúde na exclusão do diagnóstico para coronavírus, já que os sintomas são parecidos. Para evitar o contato dos pacientes acima mencionados, com os demais pacientes, a vacinação está sendo realizada na Capela do Hospital.

Em uma cerimônia simples, mas com grande importância para o militarismo, foi realizada na manhã desta quinta-feira, dia 07/05, no auditório do Hospital Central da Aeronáutica, a Solenidade alusiva ao  dos Militares nomeados ao Primeiro Posto. 

O evento foi presidido pela diretora da unidade, Coronel Médica Carla Lyrio Martins, acompanhada pela Coronel Médica Carmem Heloisa Pereira Lima, Vice-Diretora do HCA e foi marcado pela adoção de medidas de proteção necessárias devido à ameaça do Covid-19.

Os oito recém promovidos receberam das mãos da Diretora e Vice-Diretora um cartão de felicitação com a insígnia de Segundo Tenente como lembrança. Em seguida a Coronel Carla Lyrio parabenizou os recém nomeados com um discurso emocionante registrando a importância de servir à nação, principalmente no cenário atual, onde o país precisa de cada um de nós.

O Hospital Central da Aeronáutica (HCA) iniciou, no dia 23/03, a campanha nacional contra a gripe que foi antecipada com objetivo de proteger os públicos prioritários contra os vírus mais comuns da gripe. A vacina, composta por vírus inativado, protege contra os três vírus: Influenza A (H1N1), Influenza B e Influenza A (H3N2).

A primeira fase, os imunizados são idosos e trabalhadores da área da saúde, considerados pelo ministério da saúde como público prioritário. É importante frisar que esta vacina não tem eficácia contra o coronavírus (COVID-19), mas reduzirá a procura aos hospitais e serviços de saúde, além de auxiliar na exclusão do diagnóstico para o vírus causador da COVID-19, já que os sintomas são muito similares.

Durante a primeira fase que terminará no dia 16/04, a orientação é que os responsáveis não levem as crianças aos postos para vacinação de rotina, para que os mesmos não tenham contato com o grupo de risco formado pelo idosos.

Em 1997 foi criada a primeira turma de residência médica em ginecologia e obstetrícia no Hospital Central da Aeronáutica. Hoje, são mais de 20 anos que a ginecologia do HCA participa intensamente na formação de vários especialistas da área.

Em 2014 foi a vez da criação da residência médica em Videoendoscopia ginecológica, onde os residentes realizam cirurgias laparoscópicas, histeroscópicas e exames de videohisteroscopia.

O primeiro ano do programa de residência é voltado à formação obstétrica, desenvolvendo uma atuação intensa em Obstetrícia, em particular em pré-natal de baixo risco, pronto atendimento obstétrico, centro obstétrico, neonatalogia, alojamento conjunto, ambulatório de revisão puerperal e iniciação a ultrassonografia.

O segundo ano, a formação contempla mais a área de ginecologia, com atuação em ambulatórios especializados (patologia do trato genital inferior, climatério, colposcopia, vídeo histeroscopia, pronto atendimento ginecológico e atividades cirúrgicas de Ginecologia com porte diferenciado de cirurgias). Na área obstétrica o residente de segundo ano atua em pré-natal de alto risco, pré-natal de adolescentes e no Centro Obstétrico. Inicia também sua formação em Oncologia Ginecológica, frequentando ambulatórios de patologia cervical, de patologia mamária, oncologia ginecológica e centro cirúrgico. Continuará seu aperfeiçoamento em ultrassonografia.

O terceiro ano, o residente continua a atuar na área de gravidez de alto risco, participar de ambulatórios especializados de obstetrícia, frequentar centro obstétrico e ambulatórios de mastologia e oncologia pélvica, ter aprendizado em endoscopia ginecológica e complementar sua formação em todos os ambulatórios especializados de ginecologia.

Os três anos de formação são compostos por treinamentos, formação teórica, aulas expositivas e reuniões.

 

Fim do conteúdo da página