Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Notícias
Início do conteúdo da página

A Seção de Análise de Capacidade ATC (OACP), subordinada a Subdivisão de Organização e Gerenciamento do Espaço Aéreo (AOM) do Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea (CGNA), realizou, no mês de março e abril, dois treinamentos inéditos no Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro (SISCEAB).

Treinamento em cálculo de capacidade de setor - CINDACTA I

No período de 18 a 29 de março, nas dependências do Primeiro Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA I), foi realizado o primeiro treinamento em cálculo de capacidade de setor para representantes do Centro de Controle de Área Brasília (ACC-BS), do Controle de Aproximação Brasília (APP-BR), Controle de Aproximação Curitiba (APP-CT) e Controle de Aproximação Florianópolis (APP-FL).

O primeiro treinamento em cálculo de capacidade de pista ocorreu no período de 8 a 18 de abril, na Inframérica, sediada no Aeroporto de Brasília. Deste treinamento participaram representantes das empresas Viracopos, Inframérica, Fraport, Vinci Airports, BH Airports, Floripa Airports, RioGaleão, Infraero, GRU Airports e  da Associação Nacional das Empresas Administradoras de Aeroportos (ANEAA).

Treinamento em cálculo de capacidade de pista - Aeroporto de Brasília

A capacitação de recursos humanos em capacidade ATC para aeroportos e órgãos ATC foi proposta pelo CGNA e aprovada pelo Comitê de Infraestrutura Aeroportuária no final de 2018. De acordo com o Major Marcos Roberto Peçanha dos Santos, especialista em controle de tráfego aéreo, chefe da AOM, esse é o primeiro passo no sentido de descentralizar a coleta de dados relacionados com a capacidade de setor e de pista. “Precisamos caminhar para a coleta das variáveis de capacidade no nível local, ou seja, no nível dos aeroportos e dos órgãos ATC, automatizando o que for possível. Isso permitirá que o CGNA receba esses dados com maior periodicidade e, consequentemente, o processo de definição dos valores de capacidade se tornará mais ágil e adequado à nossa realidade e necessidade”, acrescentou o Major Peçanha.

"O entendimento completo da metodologia utilizada para cálculo de capacidade de pista nos capacita para a busca de melhorias operacionais para os aeroportos por meio de estudos e análises mais robustas" - explicou o representante da GRU Airport, engenheiro Marcelo Vasconcellos, que é Mestre em Infraestrutura Aeroportuária. 

Segundo o 1º Tenente Joaquim Tavares Lôbo Júnior, também especialista em controle de tráfego aéreo, os objetivos dos treinamentos foram atingidos. "A OACP agora trabalha na inclusão desses treinamentos no Programa de Atividades de Ensino e Atualização Técnica do DECEA, o PAEAT, para que possam ofertados à comunidade aeronáutica regularmente", declarou o oficial, que é chefe da OACP.

 

Fonte e fotos: CGNA
Editado por Daisy Meireles 

O Grupo de Estudos sobre Planejamento do Espaço Aéreo (GEPEA), sob a coordenação do Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea (CGNA), iniciou os trabalhos referentes ao Grupo Ad Hoc Gerenciamento do Espaço Aéreo (GADHOC ASM) e Grupo Ad Hoc Plano de Contingência ATS (GADHOC CONT PLAN).

Gerenciamento do Espaço Aéreo

O GADHOC ASM foi criado com o objetivo de estabelecer normas de gerenciamento do espaço aéreo, atualizando a legislação em vigor e verificando a necessidade de novos documentos. Entre as normas que estão sendo revistas pelo Grupo, estão a ICA 100-38 (Espaço Aéreo Condicionado), a DCA 100-2 (Concepção Operacional do Uso Flexível do Espaço Aéreo) e a ICA 100-44 (Conceito de Espaço Aéreo).

Os produtos do GADHOC ASM se relacionam com o conceito de Uso Flexível do Espaço Aéreo (FUA), e, por isso, o planejamento do Grupo segue alinhado à agenda definida no Empreendimento do Programa SIRIUS, que visa à implementação do conceito FUA (PFF 005). Nesse sentido, o Gerente do Empreendimento e Relator do GADHOC ASM, Primeiro Tenente Especialista em Controle de Tráfego Aéreo Ricardo David Benedictis, entende que o alinhamento do SIRIUS com o GEPEA facilita a participação dos membros da Comunidade ATM com as propostas para o futuro do gerenciamento do espaço aéreo no Brasil. "O desafio principal do Grupo reside no fato de que o tema é sensível e representa quebra de paradigmas, como, por exemplo, viabilizar o uso compartilhado de determinadas porções de espaço aéreo”, esclarece o oficial.

A aplicação de um gerenciamento do espaço aéreo integrado com o conceito FUA permitirá a otimização de procedimentos para coordenações estratégicas e táticas entre os responsáveis pelos diferentes tipos de operações, contribuindo para a eficiência dessas operações em um ambiente seguro e ambientalmente sustentável.

Plano de Contingência ATS

O GADHOC CONT PLAN tem como principal objetivo atualizar o plano de contingência nacional e estabelecer melhores práticas para mantê-lo atualizado, uma vez que as estruturas de espaço aéreo estão sempre em transformação e há necessidade de se garantir a segurança das operações em um cenário que não seja possível a prestação do serviço de controle de tráfego aéreo.

Dentre outros produtos a serem gerados pelo GEPEA destacam-se a atualização das Cartas de Acordo Operacional envolvendo os Centro de Controle de Área (ACC) brasileiros e estrangeiros, a atualização das normas e processos que versem sobre o plano de contingência, a simulação em tempo acelerado do novo plano de contingência, além da publicação de um plano de contingência ATFM.

De acordo com o chefe da Seção de Planejamento do Espaço Aéreo do CGNA, Capitão Especialista em Controle de Tráfego Aéreo Robson de Matos Mendes, a simulação em tempo acelerado do novo plano de contingência será um marco para o CGNA, uma vez que envolverá todo o espaço aéreo brasileiro. “Nosso desafio será realizar um cenário de simulação que jamais foi feito antes, garantindo que a segurança e os critérios definidos pelos representantes dos ACC para impedir conflitos de tráfego sejam verificados pela ferramenta de simulação do CGNA”, afirmou o Capitão Mendes.

Segundo o Tenente Ricardo, a elaboração de um plano de contingência ATS confiável e testado é um anseio de todos, principalmente usuários do espaço aéreo, órgãos de controle de tráfego e o CGNA, responsável por acionar o plano de contingência em caso de necessidade.

A finalidade do plano de contingência é definir ações a serem tomadas em caso de interrupção dos serviços de tráfego aéreo e dos serviços de apoio relacionados, para auxiliar na manutenção do fluxo, mantendo-o seguro e ordenado, bem como preservar a disponibilidade das principais rotas aéreas do sistema de aviação em tal circunstância, especialmente as aerovias internacionais.

 

Assessoria de Comunicação Social do DECEA
Texto: CGNA
Fotos: Fábio Maciel
Edição: Denise Fontes – Jornalista

 

A delegação da Força Aérea da Suécia - composta por Major Tommy Verner Packalen, Capitão Max Edvin Björberg e Tenente Oscar Carl Henrik Nygren Lindström - visitou o Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), localizado no Rio de Janeiro, no dia 20 de novembro.

 

 “A visita está inserida no âmbito da Fundação Herman Friedländer, que concede bolsas de estudo aos militares, a fim de contribuir com o desenvolvimento dos agraciados e de melhorar o quadro de pessoal das Forças Armadas Sueca”, justificou o adido de defesa da Embaixada da Suécia no Brasil, Coronel Aviador Robert Persson.

Recepcionada pelo diretor-geral do DECEA, a comitiva recebeu as boas-vindas do Tenente-Brigadeiro do Ar Jeferson Domingues de Freitas, que ressaltou a motivação desse intercâmbio. 

Seguindo o cronograma de visitas, a delegação foi ao Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea (CGNA), acompanhada pelo chefe da seção de Planejamento de Gerenciamento de Tráfego Aéreo do Subdepartamento de Operações, Major Aviador Hugo Dominato Rossi.

No CGNA, unidade subordinada ao DECEA que é a responsável por gerenciar o fluxo dos movimentos aéreos do Brasil, os militares suecos foram recebidos pelo Coronel Aviador Sidnei Nascimento de Souza, comandante da Organização.

 

O chefe da seção de Capacitação do CGNA, Tenente Joaquim Tavares Lôbo Junior, Especialista em Controle de Tráfego Aéreo, destacou o trabalho realizado pelo DECEA e exibiu para a comitiva o vídeo institucional da organização com apresentação da complexa estrutura de controle de tráfego aéreo correspondente à área de 22 milhões de km² de espaço aéreo sob sua responsabilidade.

Em seguida, o oficial apresentou as principais atividades do CGNA, ressaltando os serviços de Gerenciamento de Fluxo de Tráfego Aéreo (ATFM), as demandas operacionais que envolvem a Tomada de Decisão Colaborativa (CDM), além da estrutura organizacional que abrange as divisões operacional, técnica e administrativa.

Outro assunto em destaque foi a atuação do CGNA durante os grandes eventos realizados no Brasil desde 2012 até 2016: Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20); Jornada Mundial da Juventude (JMJ), Copa das Confederações 2013, Copa do Mundo da FIFA 2014 e os Jogos Olímpicos e Paralímpicos 2016.

Em visita ao salão operacional, a delegação conheceu as ações de gerenciamento de fluxo de tráfego aéreo no Brasil e de garantia da segurança operacional, bem como são realizadas as coordenações do tráfego aéreo com outros países.

“Fiquei muito satisfeito com as informações que nos foram transmitidas, importantes para compreendermos o funcionamento do Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro (SISCEAB) e que contribuirão para ampliar o conhecimento sobre outras visitas que faremos a outras organizações no Brasil”, declarou o Major Tommy Verner Packalen. 

Fonte: ASCOM DECEA

Integrar: Fazer parte de um grupo. Incluir formando um todo coerente. Incorporar. Adaptar-se a uma comunidade. Fazer sentir-se como um membro antigo ou natural de um conjunto. Unir o todo em harmonia.

Foi dentro desse contexto que o Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea (CGNA) recebeu, no dia 19 de dezembro, 39 recém-transferidos em mais uma edição do Programa Integrar, promovida pelo Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), por meio da Seção de Serviço Social (SSS).

 

A atividade, que ocorreu no período de 17 a 20 de dezembro, teve por finalidade proporcionar aos novos componentes a oportunidade de conhecerem as Organizações do âmbito do DECEA, além de facilitar a adaptação desses profissionais as suas novas unidades e ao convívio social.

No roteiro previsto do Programa, os novos membros puderam assistir à palestras motivacionais inerentes às orientações acerca da rotina nos setores, reflexão sobre a ética no trabalho, reconhecimento dos direitos e deveres profissionais, incentivo à manutenção da cultura de prevenção e segurança do trabalho, além de participarem de dinâmicas de grupo, que englobavam questões relativas ao ambiente profissional.

No CGNA, o grupo, acompanhado pela Primeiro-Tenente Assistente Social Simone Pereira Rocha, chefe da SSS do DECEA, foi recebido pelo chefe da Seção de Sistemas Operacionais (SOP), Major Aviador Marcio Rodrigues Ribeiro Gladulich, que deu as boas-vindas aos novos integrantes do Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro (SISCEAB).

Em seguida, o Capitão Especialista em Controle de Tráfego Aéreo Ricardo Botelho Machado exibiu o vídeo institucional da unidade, apresentou a estrutura organizacional da OM e explanou acerca das tarefas desempenhadas por cada Divisão.

 

No Salão Operacional, puderam acompanhar in loco todas as ações que envolvem o Gerenciamento de Fluxo do Tráfego Aéreo (ATFM).

“Meu primeiro contato com o CGNA foi quando tive a oportunidade de estagiar no Centro. Com essa experiência, pude ter a dimensão da importância dos trabalhos aqui executados. Hoje, já formado, ratifico toda a satisfação de ter vivenciado as atividades de um Órgão que desempenha um papel tão importante para a sociedade”, disse o Terceiro-Sargento Especialista em Informações Aeronáuticas, Gabriel Oliveira dos Santos.

O Suboficial Especialista em Controle de Tráfego Aéreo, Arnaldo José Passos Fontes, nomeado pelo Alto Comando da Força Aérea como Graduado-Master, representando a Guarnição do Rio de Janeiro, também fez parte da equipe Integrar. O militar destacou o diferencial do Programa para a adaptação e inclusão dos novos colegas de trabalho. “O integrar é de fundamental importância, pois proporciona ao militar e servidor civil recém-chegados um acolhimento junto ao efetivo e desperta o sentimento de pertencimento e satisfação em fazer parte daquele conjunto”, comentou.

Após a passagem pelo CGNA, os militares visitaram as instalações das unidades subordinadas, como o Instituto de Cartografia da Aeronáutica (ICA), o Destacamento de Controle do Espaço Aéreo do Galeão (DTCEA-GL) e a Junta de Julgamento da Aeronáutica (JJAER).

A próxima edição do Programa está prevista para abril de 2019.

Texto: 2S SIN Roberta

Fotos: Cv Fábio (ASCOM DECEA)

Finalizando mais uma etapa do Curso de Formação de Sargentos (CFS), alunos da Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR), das especialidades de Serviço de Informações Aeronáuticas (AIS) e Meteorologia (BMT), concluíram, na última quinta-feira (8/11), Estágio Supervisionado no Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea (CGNA).

A capacitação, que ocorreu no período de 16 de outubro a 08 de novembro, teve como objetivo a inserção dos jovens nas práticas operacionais juntos aos órgãos de controle e gerenciamento de tráfego aéreo. A instrução também proporcionou aos alunos a adaptação social e psicológica no que se refere ao contexto das operações aéreas.

O Estágio contou com a participação de 29 discentes que cumpriram a carga horária de 160 tempos, exigida pelo Ministério da Educação – MEC, para que, ao término do curso, todos estejam habilitados a receber a titulação de Técnico na área escolhida. 

Em visita ao Subdepartamento de Operações (SDOP) do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), o grupo foi recepcionado pelo chefe da Divisão de Planejamento (DPLN), Coronel Aviador James Souza Short, que deu as boas-vindas e apresentou as atividades desenvolvidas no setor, dentro do contexto da estrutura do Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro (SISCEAB). 

No CGNA, os estagiários receberam instrução acerca da estrutura organizacional da unidade, participaram de briefing alusivo aos procedimentos do período de treinamento no Centro e foram conduzidos às Divisões inerentes a cada área de atuação.

Durante as práticas,  os 19 alunos de AIS assistiram palestra sobre as funcionalidades do SIGMA (Sistema Integrado de Gerenciamento de Movimentos Aéreos), atuaram na Central de Plano de Voo Repetitivo (CPVR), Central de Plano de Voo Apresentado (CPVA) e acompanharam as atividades no salão operacional. Além do CGNA, os alunos também passaram pelo Instituto de Cartografia Aeronáutica (ICA), onde puderam visualizar, na prática, toda tramitação da informação aeronáutica digital. Visitaram, ainda, o Centro de Informação Aeronáutica do Rio de Janeiro (CAIS-RJ), localizado no Galeão.

“No CGNA, tive o privilégio de agregar mais conhecimentos inerentes a minha especialidade, além de poder presenciar a importância do trabalho desenvolvido pelos profissionais AIS para garantir a proteção ao voo. Com certeza foi uma experiência de suma importância para nossa formação”, disse Laura Maran Pereira Fonseca da Cruz, aluna da especialidade AIS.

Já os 10 alunos de Meteorologia atuaram como Auxiliares de Previsor Meteorológico, no Salão Operacional do CGNA, acompanhando todos os procedimentos das operações diárias. Os discentes realizaram, ainda, um estágio no Centro Meteorológico Militar (CMM) do Galeão, na Estação Meteorológica de Altitude (EMA), Estação Meteorológica de Superfície (EMS) do Santos Dumont e, por fim, visitaram as instalações do Centro Integrado de Meteorologia Aeronáutica (CIMAER).

“O estágio no CGNA, sem dúvida, acrescentou muito na minha formação. Ter a oportunidade de acompanhar as atividades do Centro e colocar em prática os conhecimentos adquiridos ao longo do curso, foi bastante agregador para a minha carreira”, explanou Carla Eduarda Paulino, aluna da especialidade BMT.

Os serviços de Meteorologia e Informações Aeronáuticas, em conjunto com as demais operações, são de extrema importância para que se tenha fontes confiáveis acerca das previsões e dos informes. As falhas, nesse sentido, podem impactar severamente o planejamento e a execução das ações concernentes ao serviço prestado pelo CGNA, mais especificamente o de Gerenciamento de Fluxo de Tráfego Aéreo (ATFM).

A formatura dos futuros Sargentos Especialistas da Força Aérea Brasileira está prevista para o dia 30 de novembro.

Texto e fotos: 2S QSS SIN Roberta

O DECEA, por meio do Centro de Gerenciamento de Navegação Aérea (CGNA), estabeleceu um planejamento de ações destinado ao período de pico de movimentação aérea de final de ano. As medidas entram em vigor já a partir da próxima sexta-feira, dia 21, e vão até o dia 2 de janeiro de 2019.

A expectativa é a de que, nestas duas semanas, 47.962 pousos e decolagens sejam realizados nos 12 aeroportos de maior movimentação nessa época: Guarulhos, Congonhas e Viracopos (SP), Galeão e Santos Dumont (RJ), Brasília (DF), Salvador (BA), Porto Alegre (RS), Recife (PE), Curitiba (PR), Fortaleza (CE), São Gonçalo do Amarante (RN).

Para o chefe da Seção de Doutrina do CGNA, Tenente Coronel Franklin, "esse planejamento é fundamental, pois fornece um prognóstico da demanda para períodos específicos, por meio da análise das demandas de anos anteriores e levantamento do número de solicitações de voos”.

De acordo com o oficial, a estratégia também leva em conta o prognóstico de demanda de voo para o período através da aplicação de índices estimados para a temporada. A estimativa viabiliza a elaboração de um quadro indicativo de orientações quanto ao aprovisionamento de consoles de tráfego aéreo para os órgãos de controle.

O cálculo do número de consoles tráfego aéreo demandadas, por período, nos centros operacionais, por sua vez, é realizado com base na projeção do movimento da circulação aérea geral. Mas ajustes táticos podem ser feitos, conforme decisão operacional dos órgãos já que com as condições meteorológica características dessa época do ano, pode haver aumento na demanda de intervenções, as chamadas Medidas de Gerenciamento de Fluxo de Tráfego Aéreo.

Na comparação com o ano anterior, foi observado um decréscimo de 12% na quantidade de movimentos nos prognósticos do CGNA para a vidrada de 2018 para 2019, conforme ilustração abaixo.

O levantamento de dados do gênero, viabiliza ações eficazes de gerenciamento de fluxos de tráfego no intuito manter o equilíbrio entre a demanda de voo e as capacidades das infraestruturas aeronáuticas.  Ao longo do ano são elaborados planejamentos complementares ao calendário ordinário, referentes a feriados prolongados (Natal, Ano Novo, Carnaval, etc.) ou qualquer outra situação que demande uma análise específica.

Esse planejamento, elaborado pelo CGNA, envolve todos os profissionais do Gerenciamento do Fluxo de Tráfego Aéreo, servindo de referência também para os órgãos de controle de tráfego aéreo regionais (os quatro Centros de Defesa Aérea e Controle de tráfego Aéreo - CIDACTA e o Serviço regional de Proteção ao Voo de São Paulo - SRPV-SP), a fim de garantir a excelência dos serviços prestados no âmbito do SISCEAB.

Fonte: Assessoria de Comunicação Social do DECEA

Na manhã do dia 28 de outubro, no auditório do Instituto Histórico-Cultural da Aeronáutica (INCAER), o novo Comandante do Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea (CGNA), Coronel Aviador Sidnei Nascimento de Souza, realizou a primeira reunião com o efetivo da organização.

 

O encontro teve como objetivo a compreensão de todos os componentes do CGNA acerca das diretrizes como um conjunto de ordens destinadas a orientar os militares, civis e colaboradores quanto à condução das atividades do Centro.

O novo Comandante do CGNA iniciou a palestra com uma breve apresentação pessoal, na qual explanou ao efetivo toda sua vida pregressa, desde as suas raízes até as realizações atuais. Salientou, ainda, a importância basilar de sua família na construção de seu caráter e formação profissional. 

No que concerne às premissas básicas, para o Coronel Sidnei, valores como: dedicação ao serviço, profissionalismo, cumprimento de horários e regras, lealdade à chefia, espírito de grupo, comprometimento e união são elementos essenciais para a organização alcançar a harmonização e o êxito na missão. 

A relevante integração com o Sistema de Controle do Espaço Aéreo (SISCEAB) e demais elos da Comunidade Aeronáutica, assim como a importância do formalismo militar baseado na hierarquia e disciplina, o amor às tradições, o respeito à ética, a prática das virtudes militares e os preceitos morais, também fizeram parte das orientações.

No tocante às diretrizes, conceitos que compõem a missão do CGNA ganharam destaque e foram reforçados pelo novo Comandante:

- Permitir, a partir das intenções de voo, a harmonização do gerenciamento do fluxo de tráfego aéreo, do espaço aéreo e das demais atividades relacionadas com a navegação aérea;

 - Proporcionar a gestão operacional das ações correntes dos processos de gerenciamento de tráfego aéreo e da infraestrutura relacionada; e 

- Atingir a qualidade dos serviços prestados no âmbito do SISCEAB. 

Também agregaram o rol das perspectivas, as ações de economicidade, sustentabilidade, preservação do patrimônio público, transparência, equidade, igualdade e orgulho de pertencimento ao CGNA. 

Quanto às metas, destacou o alinhamento dos contextos operacional e administrativo do CGNA com os Programas de Atividades do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), para atingir, com qualidade, os objetivos previstos.

Frisou, ainda, a importância do trabalho dos Oficiais da unidade, no que se refere ao assessoramento ao Comando. 

“Os Oficiais do CGNA trabalharão de forma harmônica, integrada e em busca do excelente resultado para o Centro, em qualquer ocasião. Para isso, trabalharemos para termos uma assessoria precisa, oportuna, coerente e participativa voltada para a solução de problemas de maneira rápida e objetiva”, salientou o Comandante. 

Por fim, discorreu acerca do Programa de Valorização do Efetivo (PVE) que terá como base o Programa de Fortalecimento de Valores (PFV) e o Programa de Reestruturação Organizacional (PRO), visando ao reconhecimento individual e coletivo dos integrantes da unidade. 

Para a consultora Estatística, Isabela Gomes, um dos segredos para a boa gestão de uma organização é manter o seu efetivo motivado para o trabalho: “O estímulo à capacitação e à valorização profissional, por meio do PVE, trará, sem dúvida, mais qualidade aos serviços prestados ao CGNA”, afirmou. 

O Coronel Sidnei assumiu o Comando do CGNA no dia 26 de outubro de 2018 e permanecerá no cargo até 2020. 

Texto e fotos: 2S QSS SIN Roberta

Fim do conteúdo da página