Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Unidades Subordinadas > BANT - Base Aérea de Natal
Início do conteúdo da página

Missão

A Base Aérea de Natal (BANT) tem por finalidade prover o apoio necessário às unidades aéreas e unidades de Aeronáutica que nela operam, permanente ou temporariamente, ou que nela esteja sediadas. A BANT é diretamente subordinada ao Comandante do Segundo Comando Aéreo Regional. A BANT tem sede em Parnamirim, Estado do Rio Grande do Norte.

História

Em 2 de março de 1942, em plena Segunda Guerra Mundial, foi criado pelo governo brasileiro o Núcleo da Base Aérea de Natal. A ativação da BANT ocorreu no dia 7 de agosto do mesmo ano. Em novembro do mesmo ano, passaram a conviver no mesmo aeródromo, em “Parnamirim Field”, duas Bases Aéreas. A brasileira, localizada no Setor Oeste do aeródromo, e a americana no Setor Leste. Era o Trampolim da Vitória, assim chamado por ser ponto obrigatório de passagem das aeronaves aliadas que se destinavam ao Teatro de Operações da África.

Ao término da Guerra, a Base Aérea de Natal passou a ocupar as instalações da Base Americana. As edificações da chamada Base Oeste tiveram, no decurso do tempo, as mais diferentes finalidades, tais como: Centro de Instrução Militar e Centro de Formação de Pilotos Militares (CFPM), ativado em 06 de março de 1970, com a desativação da Base Aérea de Natal.


Para a formação operacional dos Aspirantes, foi criado em março de 1947 o 5º Grupo de Aviação, que foi a mais antiga Unidade de Instrução da Força Aérea, tendo subordinados a ele o 1º/5º GAv e o 2º/5º GAv. Com a criação do CFPM, o 5º GAv, juntamente com o 1º/5º GAv, foi transferido para Recife em 6 Mar. 70, tendo sido o 2º/5º GAv desativado nessa mesma data. O 5º GAv foi desativado, através da Port.-043/GM7, de 8 Jun. 70, reativado em 20 Out. 80, pela Port. R-310/GM-3, permanecendo nesta condição até agosto de 1994, quando foi desativado pela segunda vez em sua história.

A partir de janeiro de 1974, o CFPM foi substituído pelo Centro de Aplicações Táticas e Recompletamento de Equipagens (CATRE), que perdurou até a reativação da Base Aérea de Natal, em 1989. Em sua caminhada evolutiva, houve por bem o Ministério da Aeronáutica desativar novamente a Base Aérea de Natal e criar, em 05 de dezembro de 1990, o Comando Aéreo de Treinamento, mantendo a mesma sigla CATRE e tendo como missão primordial “Instruir para o Combate” os Aspirantes-a-Oficial Aviadores oriundos da Academia da Força Aérea.

Em consonância com as diretrizes operacionais do Comando da Aeronáutica, em 1º de janeiro de 2002, o Comando Aéreo de Treinamento foi desativado e em seu lugar foi reativada pela terceira vez a Base Aérea de Natal, voltando a organização, desse modo, à sua denominação original.

Parnamirim, além de se constituir naquele trampolim bélico, tornou-se também o trampolim do desenvolvimento nacional. Acertado o acordo, começaram os pousos e decolagens das tropas americanas, cuja freqüência era contada em minutos. Iniciaram-se, também, os embarques e desembarques maciços de soldados, aviadores, técnicos e burocratas. Consequentemente, houve uma considerável troca de conhecimentos em todos os níveis: tecnológico, social e até sentimental. Militares brasileiros tiveram o primeiro contato com tecnologias como lança-chamas e TNT, até então novidades.

Os aviadores brasileiros estavam sob o fogo da metralha e do canheiro Nazi-fascista, em pleno teatro da guerra na Itália. Era o Senta a Pua escrevendo uma das mais belas páginas da nossa atuação em defesa da democracia e da civilização ocidental.

A população soube enfrentar as dificuldades da guerra como os racionamentos e os blecautes. Além da preocupação com o avanço da Raposa do Deserto, Marechal Von Rommel, sobre o Norte da África, existia ainda a ameaça de submarinos na costa brasileira. Foi assim que Natal se transformou em uma das principais peças no jogo de xadrez do final do II Grande Conflito Mundial.

TRAMPOLIM DA VITÓRIA

No dia 2 de março de 1942, por Decreto, Parnamirim saiu do mapa nordestino brasileiro para entrar na história mundial. Tornou-se uma das bases aéreas decisivas para o destino da II Grande Guerra. Graças à Logística e à Engenharia Militar, aquele areal ganhou pista de pouso e estrutura com a mais avançada tecnologia bélica da época. As operações começaram no dia 7 de agosto do mesmo ano, sob o comando do Major-Aviador Carlos Alberto de Filgueira Souto. Na verdade, ali já existia “um campo de aviação”, como se denominavam, os locais de pouso e decolagem perdidos pelo Brasil afora e que, pelo ar, garantiam a integridade do nosso País-Continente.

Os americanos trouxeram o asfalto, o macadame, as máquinas; estenderam, alargaram e duplicaram as pistas. Precisavam de piso sólido para o enxame de aviões que dali iriam bombardear e destruir a ponta-de-lança fortificada no Norte da África pelo Nazi-Fascismo, na sua estratégia de conquista total da Europa. O custo aproximado das obras ficou em nove milhões de dólares, sem contar os equipamentos que vieram diretamente da América. As pistas asfaltadas 16/34 e 12/30 dividiram, a Oeste, a Base Aérea de Natal, e, a Leste, “Parnamirim Field”.

Para o acerto político-econômico da cessão de Parnamirim aos EUA, o presidente americano Franklin Delano Roosevelt, mesmo enlutado pela morte de um filho, viajou a Natal, em 28 de janeiro de 1943. Ao seu encontro voou o presidente brasileiro Getúlio Dornelles Vargas, que, em trágica coincidência, deixou, no Palácio do Catete, quase agonizante, seu filho Getulinho. Os dramas pessoais e a emoção em comum não impediram, contudo, que a negociação entre os dois estadistas fosse objetiva, dura e de conseqüências que perduram até hoje.

Roosevelt queria aquele trampolim para a África; Getúlio tentava, já há algum tempo, financiamento que lhe permitisse o grande salto (do País) e o grande sonho (de toda a sua vida): tirar dos livros escolares aquela definição - O Brasil é um país essencialmente agrícola.

RESUMO HISTÓRICO

Base Aérea de Natal 1942 1989/2002
Criação do Núcleo da Base Aérea de Natal – 02 de março de 1942
Base Leste – Base Americana
Base Oeste – Base Brasileira
Desativação – 1970
Reativação – 1989
Desativação – 1990
Reativação – 2002

Quinto Grupo de Aviação (5°GAV)
Mais antiga unidade de instrução da FAB
Criação – 1947
Desativação – 1970
Reativação – 1980
Desativação – 1994

Centro de Formação de Pilotos Militares (CFPM)
Criação – 1970
Desativação – 1974

Centro de Aplicações Táticas e Recompletamento de Equipagens (CATRE)
Criação – 1974
Desativação – 1989

Comando Aéreo de Treinamento(CATRE)
Criação – 1990
Desativação – 2002

Contato: 

http://www.bant.intraer

Fim do conteúdo da página