Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Últimas Notícias > SERIPA V participa do congresso do SINDAG no Rio Grande do Sul
Início do conteúdo da página

Agrícola CongressoO Quinto Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SERIPA V) participa do Congresso do Sindicato Nacional da Aviação Agrícola (SINDAG), que acontece de 8 a 10 de agosto, no Aeroporto Municipal de Canela, na região da Serra Gaúcha. O encontro reúne participantes do Mercosul e da America Latina.

A abertura do Congresso ocorreu nesta terça-feira (8). Pela manhã, foi realizado o lançamento do projeto Sindag na Escola, com a recepção aos alunos das escolas do município de Canela e show cultural.

Com a presença de especialistas do setor, as discussões estão voltadas para a globalização, as novas tecnologias e a comunicação. Também é previsto no cronograma o debate de assuntos relacionados à gestão financeira de Empresas Aeroagrícolas e no combate a incêndio. Dessa forma, os organizadores trabalham para a realização de um dos maiores eventos de aviação agrícola do Brasil.

O Chefe do SERIPA V, Tenente-Coronel Aviador Leonardo Pinheiro de Oliveira, faz a introdução da palestra sobre “Acidentes Aeronáuticos e seus fatores contribuintes”, evidenciando um panorama sobre a realidade da Aviação Agrícola no sul do país. A abordagem traz as estatísticas e os principais fatores responsáveis pelo elevado índice de acidentes nos Estados do Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina.

O tema prossegue com a participação do Suboficial Milton Cardoso de Lima, da equipe do SERIPA V, que mostrará as ocorrências mais comuns da Aviação Agrícola, sob a ótica da filosofia do Sistema de Investigação e Prevenção e Acidentes Aeronáuticos (SIPAER). O destaque é para os fatores contribuintes no ambiente de trabalho, na manutenção de aeronaves e no envolvimento do fator humano com a operação.

De acordo com o palestrante, o objetivo é despertar os operadores aeroagrícolas para as condições inseguras que eles enfrentam no dia a dia da atividade aérea. “Os requisitos de segurança devem ser observados desde o reconhecimento da área de aplicação, das condições de pista, o que requer cuidados redobrados, envolvendo também a atuação dos pilotos, técnicos e auxiliares”, explicou.

Foto 21O potencial da agricultura mundial e do Mercosul; relacionamento e informação como alternativa para vencer os mitos e preconceitos da pulverização aérea; a comunicação e o agronegócio; o papel da psicologia em ambientes de desastres; feedback do campo e as principais modificações no projeto Ipanema 203 são os temas em discussão no Congresso.
Paralelo aos debates, a programação prevê uma mostra de tecnologias, equipamentos e aeronaves, com 70 expositores, além de demonstrações aéreas. A exposição de empresas do setor busca atender os diversos operadores da aviação agrícola, com o que há de mais novo no mercado.

O Congresso também planeja atividades para marcar os 70 anos da Aviação Agrícola Brasileira. Atualmente, o país possui uma expressiva frota aeroagrícola, cuja tradição começou em 19 de agosto de 1947. O marco é referenciado pela operação contra gafanhotos, que aconteceu na cidade de Pelotas, no Rio Grande do Sul.

Fim do conteúdo da página