Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Slideshow > Perspectivas da Segurança de Voo no pós pandemia sob a ótica dos Fatores Humanos
Início do conteúdo da página

FHA pandemia provocou no cenário aéreo uma crise, que pode ser considerada como uma das maiores já vivenciadas pelo setor até hoje. Os voos nacionais e internacionais foram drasticamente reduzidos – alguns destes até interrompidos, muitos aviões pararam de decolar e estão estacionados pelos aeroportos do Brasil, bem como grande parte das tripulações estão em terra, sem voar. É um cenário de incerteza, diante de um futuro bem diferente das expectativas que se tinham para um setor considerado estável. Vale ressaltar que essa situação é sistêmica e não exclusiva ao Brasil.
Passados mais de quatro meses, ainda não se tem um sinal claro de quando a economia será retomada. Há empresas com pedido de recuperação judicial e outras companhias operando muito aquém da sua capacidade; os centros de treinamentos e as oficinas de manutenção também estão operando com uma demanda significativamente baixa em relação ao período anterior à crise.

E como fica a segurança de voo no meio desse contexto?

Embora as empresas aéreas consigam cumprir suas obrigações quanto a manter os treinamentos de seus colaboradores em dia e a manutenção programada de suas aeronaves, algumas outras questões não podem ser sistematicamente programadas e facilmente controladas. Estamos falando das questões de fatores humanos envolvidas neste cenário, que demandam um olhar mais atencioso e cuidadoso para essas questões.

Estamos nos referindo a pessoas, que como seres individuais e únicos, possuem as mais variadas maneiras de enfrentar situações de crise. Não há como estabelecer uma previsibilidade, mas é possível estabelecer estratégias de enfrentamento que possam amenizar o impacto da situação no desempenho pessoal e profissional, trazendo seus reflexos positivos para a segurança de voo.

Hoje, o que pode impactar a segurança de voo em termos de fatores humanos?

O sentimento de incerteza em relação ao futuro, o receio de perder o emprego, a possibilidade de redução salarial e a mudança do padrão de vida que, entre outros fatores, podem desencadear interferências na qualidade de vida dos aeroviários, provocando impactos, inclusive, no sistema biológico. Nesse cenário, o sono é um dos fatores que pode ser afetado mais diretamente. Quando estamos preocupados com alguma situação, ansiosos frente a um problema, é comum ficarmos tão aprisionados aos pensamentos a ponto de não conseguir dormir bem. Ao considerar que tripulantes são habitualmente submetidos a escalas variadas de trabalho que podem provocar alterações fisiológicas do sono, uma acentuação de dificuldades de conciliar ou manter um sono restaurador e de qualidade pode gerar ou agravar condições clínicas comprometedoras do desempenho humano.

Interferências na alimentação e falta de atenção e cuidado com outras questões de saúde também podem ser observados. O que isso tem a ver com segurança de voo? Tem tudo a ver, uma vez que funções executivas, tão necessárias para o bom desempenho operacional, podem ser diretamente afetadas por condições inadequadas de saúde.

O que pode ser feito para manter os níveis aceitáveis de segurança de voo?RETOMADA DAS ATIVIDADES

“Não existe receita pronta” – mas algumas medidas podem minimizar o impacto dessa crise. É preciso compreender que as pessoas lidam de maneiras distintas e de acordo com os valores que adquiriram ao longo da vida, bem como com os recursos que lhes são disponíveis. Por isso, o que se pode fazer para amenizar impactos negativos desse momento, no que se refere ao aspecto individual, varia de pessoa para pessoa. Ainda assim, algumas ações paliativas podem auxiliar, como:
- Cuidar da saúde física e mental
- Estabelecer uma rotina
- Fazer uma desintoxicação de informações
- Realizar atividades prazerosas
- Buscar canal aberto com a empresa
- Estudar possibilidades viáveis para o futuro
- Em caso de necessidade, buscar ajuda profissional

Esse cenário está sendo vivido coletivamente, o que implica o reconhecimento de que muitas pessoas que são próximas possivelmente estão passando pelas mesmas dificuldades e incertezas em relação à vida profissional nesse momento. Assim, no que tange ao aspecto psicossocial, poder contar com colegas de trabalho pode representar um apoio diferenciado, pois são pessoas que conhecem a realidade operacional e da empresa como você.

Obter informações sobre o que está sendo oferecido por sua empresa, o sindicato e/ou as associações das quais você participa pode ser um meio de vislumbrar alternativas para lidar com os desafios impostos pela crise, assim como ampliar perspectivas para o momento pós-crise.

Além disso, não se restrinja somente ao contato com pessoas de seu ambiente de trabalho. Outros grupos e atividades sociais, mesmo que executadas de modo virtual ou com distanciamento social, são uma possível forma de relaxar, descontrair e melhorar sua qualidade de vida.

No que se refere ao aspecto organizacional, salienta-se a necessidade de que medidas preventivas e mitigatórias sejam adotadas, a fim de promover um adequado gerenciamento da crise instaurada nesse momento. A manutenção de canais de comunicação no âmbito organizacional consiste em uma medida fundamental para que haja maior transparência e impacto das ações adotadas pela empresa, o que pode contribuir para a redução do nível de ansiedade do quadro de colaboradores e fomentar um clima de segurança em relação às medidas protetivas adotadas para aqueles que se mantém em operação.

Além disso, o momento pede que práticas e processos associados às operações aéreas executadas sejam cuidadosamente revistos e planejados nesse momento, considerando as medidas protetivas necessárias e a oferta de um sistema de apoio que permita ao tripulante compreender como adaptar-se a esse novo cenário, reportar situações que entenda estarem comprometendo seu desempenho e atuar de forma proativa e cooperativa frente às demandas presentes no seu cenário atual de trabalho.

Quais cuidados na retomada de atividades pode contribuir para níveis adequados de segurança de voo?

Individualmente: É preciso considerar que a frequência com a qual desempenhamos determinadas tarefas é um fator relevante para a manutenção de nossa proficiência técnica. Assim, estar afastado um período das atividades ou executando-as em menor frequência demanda uma dedicação pessoal para manter-se atualizado na retomada das atividades.

Estudar conteúdos relacionados à sua operação ou atividade pode auxiliar no preparo para a execução de suas tarefas. Faça o "voo mental" (e isso vale para pilotos, comissários, mecânicos, equipe de solo): recorde os passos e procedimentos necessários que lhes são exigidos nas suas rotinas de trabalho.

Em equipe: Sempre que possível, em equipe, compartilhe conhecimentos coletivamente e apoie-se em práticas confiáveis: a realização de briefings e debriefings para identificação de perigos e ameaças nos contextos de operação; a prática de cheques cruzados (crosscheks) para conferência dos procedimentos; e, ainda, a valorização da qualidade da comunicação (o que, como e quando comunicar).

Na organização: Oferecer oportunidades de capacitação e treinamento pode ser uma das estratégias mais válidas para auxiliar os profissionais na retomada das atividades com efetividade e segurança. Além disso, esse momento pode exigir a revisão ou aprimoramento dos processos organizacionais voltados ao acompanhamento de pessoal, gerenciamento de escalas e identificação de ameaças de contextos mais críticos de operação, levando em conta a experiência recente e a familiaridade dos profissionais com determinados contextos.

 

 

 

Fim do conteúdo da página