Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Aviação e História > AVIAÇÃO E HISTORIA > 12 de maio de 1902: Augusto Severo e Seu Trágico Fim
Início do conteúdo da página

--------- \.o./ Aviação e História \.o./ ---------

............................................................

SO Jefferson Eduardo dos Santos Machado

O Maranhense Augusto Severo foi o segundo brasileiro pioneiro no desenvolvimento aeronáutico. Severo foi deputado pelo Rio Grande do Norte e em 1884, apresentou um projeto de balão semirrígido. Em sua concepção, a instabilidade do balão era causada pela separação entre o invólucro e a barquinha, que ficava muito abaixo com o motor. Severo projetou um balão com um eixo longitudinal onde seriam fixados os propulsores e demais acessórios, juntando num mesmo plano horizontal os eixos de resistência ao avanço e propulsão. A barquinha era fixada a uma estrutura rígida presa ao grande eixo que atravessava o balão.

Ele construiu em Paris, na casa Lachambre, dois balões dentro destas suas concepções: o “Bartolomeu de Gusmão”, em 1894, e o “Pax”, em 1902.

Em 12 de maio de 1902, quando decolou com seu Dirigível Pax, para seu primeiro voo sobre Paris, juntamente com o mecânico francês, Georges Sacchet, Severo sofreu um acidente que ceifou tanto sua vida, quanto a de seu companheiro de viagem. O aeróstato explodiu no ar e caiu sobre a Avenue Maine.

Quanto à causa do acidente a hipótese mais provável é de que o problema ocorreu devido a proximidade entre o motor à combustão com a válvula do balão de hidrogênio. Com uma provável pane na válvula, o hidrogênio entrou em contato com as faíscas do motor possibilitando a explosão.

Uma segunda hipótese, com menos defensores, indica que uma mudança no projeto ocasionou o acidente. O inventor trocou o material de uma das peças da barca que seria de alumínio, por bambu. Ela então quebrou em virtude do excesso de peso e furou o invólucro de hidrogênio.

Em qualquer uma delas o resultado foi o mesmo o fim dos dois passageiros do balão. No Museu Aeroespacial temos a máscara mortuária do inventor e o pedaço do bambu quebrado, que teria sido o responsável pelo trágico acidente.

*O autor é Suboficial da Força Aérea Brasileira e Doutor em História Comparada pelo Programa de Pós Graduação em História Comparada da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Referência

LEMOS, Valmir. História da Aviação. In: busca.unisul.br/pdf/restrito/000003/00000362.pdf. Acesso em 11/Mai/2016.

 

Viaje nesse projeto!


Fim do conteúdo da página