Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Slideshow > CADETES DA ACADEMIA DA FORÇA AÉREA REALIZAM INSTRUÇÃO DE SOBREVIVÊNCIA NA SELVA EM CACHIMBO
Início do conteúdo da página

Os cadetes (homens e mulheres) do 3º Ano da Academia da Força Aérea (AFA) realizaram, entre os dias 7 e 23 de junho de 2018, na Área de Exercícios do Campo de Provas Brigadeiro Velloso (CPBV) a Instrução de Sobrevivência na Selva (ISS). O objetivo é capacitar o futuro oficial para possíveis emergências que envolvam sobrevivência na selva e espera por resgate.

O exercício simula o pouso forçado de uma aeronave, no qual os cadetes são os sobreviventes e devem aguardar o resgate por quatro noites. Localizadas às margens do rio “Braço Norte”, as áreas designadas pela Seção de Instrução Militar da AFA buscaram simular uma situação de sobrevivência real: frio, chuva, calor, umidade, insetos e a necessidade de conseguir alimentos através da caça, da pesca e da identificação de frutos, sementes e raízes comestíveis.

No dia 14 de junho, o Diretor de Ensino da Aeronáutica, Major-Brigadeiro-do-Ar Rui Chagas Mesquita e o Comandante da Academia da Força Aérea, Brigadeiro-do-Ar Mário Augusto Baccarin, acompanhados pelo Comandante do Corpo de Cadetes, Coronel-Aviador Webert Romeiro Freire, participaram da inspeção aos grupos do 2º turno da ISS. Segundo o Diretor de Ensino, a Instrução de Sobrevivência na Selva é essencial para a formação dos Cadetes, proporcionando uma conhecimento e experiência importantíssimas na formação dos futuros Oficiais. “São instruções com elevado nível de qualidade e preparo, visando a melhoria da qualidade do ensino na Força Aérea”, afirmou o Major Brigadeiro Mesquita.

No dia 22 de junho, o Diretor do Campo de Provas, Tenente-Coronel Schneider, também participou da inspeção ao terceiro e último “turno” de Cadetes realizando a ISS. Na ocasião, o Diretor do CPBV relembrou as mesmas experiências vividas no distante ano de 1997, quando ele, então Cadete do 4º ano, realizou a ISS naquela mesma área. Destacou que tanto a qualidade da instrução, em termos doutrinários e profissionais, quanto os aspectos de segurança para os Cadetes evoluíram muito.

Todas as fases do exercício foram acompanhadas à distância pela equipe de instrutores e monitores da AFA para que a atividade se aproximasse ao máximo da realidade, sem prejuízo da segurança dos Cadetes. A equipe de apoio foi composta por 45 integrantes, entre instrutores, especialistas em segurança, profissionais de logística e da área de saúde. Para eventuais emergências, ficaram de sobreaviso no CPBV um helicóptero H-60 “Black Hawk” do 7º/8º GAV e o C-105-SAR, do 2°/10° GAV.

 

Fim do conteúdo da página