Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Notícias da AFA > OPERACIONAL - Cadetes do 1º ano da AFA concluem exercício de campanha
Início do conteúdo da página

 

Foram cinco dias de treinamentos em princípios, procedimentos, técnicas e táticas básicas de combate terrestre e de sobrevivência. Essa foi a rotina dos 199 cadetes aviadores, intendentes e infantes do Esquadrão Jaguar, que cursa o primeiro ano da Academia da Força Aérea (AFA), em Pirassununga, no interior de São Paulo. O primeiro exercício de campanha do grupo encerrou na quarta-feira (04/08).

Os cadetes tiveram instruções como segurança de acampamento, bivaque (montagem e utilização de rede de selva, poncho e barraca modular), transposição de aquavias, navegação terrestre, orientação, minas e armadilhas, camuflagem, pista de combate e de cordas, entre outras. “Este exercício serve como base para atividades como sobrevivência na selva e no mar, bem como o exercício de liderança”, ressalta o Chefe da Instrução Militar da AFA, Capitão de Infantaria Muriel Rodrigo Martelo.

Para a Cadete Intendente Luiza Alvarenga Mota, entre as diversas oficinas realizadas, a que mais chamou atenção foi denominada AVOT, sigla formada pelas iniciais dos sentidos audição, visão, olfato e tato. “É muito importante, quando estamos em uma operação, ou um cenário de guerra, sabermos como nos comportar, para não denunciar posições e reconhecer ameaças”, explica.

Apesar da intensa carga de exercícios, para surpresa da Cadete Luiza, foi uma boa experiência. “Foi importante vermos nossa superação pessoal, e mais importante ainda ver que todos completaram o exercício. Ninguém ficou para trás”, analisa.

  Mesmo já sendo militar no Senegal, só agora o  Cadete Aviador Mouhammad Diallo teve seu primeiro contato com estas instruções. Ele é um dos seis estrangeiros que estão cursando a academia militar no Brasil e que participaram do exercício de campanha. “Me surpreendi na instrução de animais peçonhentos, fiquei com um pouco de medo, mas consegui segurar uma jiboia", afirma Diallo.

A instrução foi realizada em parceria com o Instituto Butantan, que cedeu os animais para serem apresentados aos militares.

Fim do conteúdo da página